Formações

Qual a importância de perdoar?

“Pai nosso que estais no céu… perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tenha ofendido”.

Imagine que, ao rezarmos o Pai-nosso, pedimos para que Deus nos trate exatamente como tratamos o outro, pedimos para que Ele nos perdoe como perdoamos os outros.

Alguém pode dizer que “Deus é misericórdia, e vai me perdoar mesmo eu não perdoando, porque Ele sabe que sou fraco e não consigo”. Nesse caso, colocamos a Misericórdia de Deus em oposição à Sua Justiça. Seria pôr Deus contra Ele mesmo. Isso, infelizmente, não é possível. Nós, seres humanos, somos um todo, que vive de modo fragmentado. Não somos obrigados a ser assim, mas infelizmente é como a maioria hoje se comporta. Queremos agir do modo mais fácil e prazeroso, sem ter consequências ou armamos contradições assim, desde que nos beneficie. É exatamente isso que fazemos, ao querermos permanecer no erro, fazendo tudo o que não agrada a Deus, e, ao mesmo tempo, esperando d’Ele todo amor que queira. Queremos continuar maus, achando-nos merecedores de bens.

Não perdoar nem alimentar a mágoa e o ressentimento cortam a relação que temos com a graça de Deus

Deus não é assim. Ele não é fragmentado desse jeito. Ele nos ama sim, mas se não nos arrependermos do mau, se não voltarmos atrás, se morrermos subitamente sem tempo de arrependimento, não iremos nem para o céu e nem para o purgatório, senão somente para as penas eternas. E sabe por quê? Porque nós nos afastamos d’Ele por livre vontade e continuamos longe por meio das maldades que praticamos e não nos arrependemos.

Aqui é que entra o livre-arbítrio. Não somos controlados por Deus, mas sim livres. Se nós escolhemos nos afastar de Deus por meio do mau cometido, Ele sofrerá muitíssimo com isso, mas não deixará de respeitar a nossa liberdade de querer estar e permanecer a caminho do inferno.

 Querer sempre perdoar

Falando de perdão, é fundamental deixar claro que não se trata de deixar de sentir dor para assim saber que perdoou, mas sim, se decidir em perdoar aquele que nos fez o mal, no entendimento. E isso começa a partir do momento em que rezo por quem me machucou. Sim, aqui está o caminho: rezar!

Muitas vezes, aquilo que fizeram contra nós é tão grave, foi tão dolorido, que só com a ajuda de Deus para conseguir perdoar. Sim! Isso é verdade! Mas é preciso, primeiro, entender que se não houver de nossa parte o desejo de se desvencilhar dessa mágoa, Deus permanecerá esperando, sem fazer nada para tirar a falta de perdão, por nos respeitar.

Quando rezamos, pedindo a Deus que abençoe aos que nos ofenderam, queremos que eles alcancem aquilo que há de melhor para uma pessoa: a salvação eterna. Se os sentimentos ainda se encontram feridos, comece pedindo a bênção àquele que o ofendeu. Com o tempo, Deus vai curar também as suas feridas. Isso sim será um ato de misericórdia e justiça, tanto de sua parte, quanto da parte de Deus.

Não desejemos o mal àquele que nos feriu

Muitos, infelizmente, querem que o outro sofra as consequências do mau que cometeram. Imagine se Deus nos perdoasse somente quando sofrêssemos todas as consequências do mal feito a Ele? Não caberia a nenhum ser humano suportar tanta injúria, pois o mal cometido a Deus é muito maior que o cometido a outro, pelo grau de santidade de Deus, que não merece nem o mais mínimo mal, ao contrário de nós.

Roger de Carvalho – Membro da Comunidade Canção nova

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

PALAVRA DO BISPO

Dom Antônio Carlos Cruz Santos

Dom Antônio Carlos Cruz Santos

Bispo Diocesano de Caicó

TUTELA DE MENORES

AGENDA DIOCESANA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹dez 2020› »