Colunistas

Irmã Suzana

Maria a Primeira Catequista

Neste mês de maio, aprofundemos nossa missão nesta mensagem de Maria Helena Cavalcanti Superiora Geral Fundadora da Congregação de Nossa Senhora de Belém.

“De tal maneira Deus amou o mundo que enviou seu Filho Único, para que todo que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3-16)
Jesus veio nos salvar, veio nos dar o sentido da vida, “Ele é o caminho, a Verdade e a Vida.” (Jo 14,16). Depois D’Ele nosso riso não será vazio e nossas lágrimas não serão perdidas. Muita gente, porém, ainda anda sem rumo, sem o endereço certo da Casa do Pai Celeste, por isso é necessário anunciar a Boa Nova da salvação, por isso a catequese é tão importante.
Se não houver quem pregue, quem ensine “Como invocarão Aquele em quem não tem fé? E como crerão n’Aquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar se não houver quem pregue?” (Rm 10,14)
Catequizar é então, ensinar a por Deus no centro da vida.
“Conhecer e amar a Jesus Cristo, e viver de sua graça na observância dos mandamentos.” (Pio XII)
Ora, este título de Catequista convém a Maria, Mãe de Jesus como ninguém. Maria é o Apóstolo por excelência. A sua missão foi dar-nos Jesus Cristo e levar-nos a Ele. Nosso Senhor Jesus Cristo quis servir-se de sua Mãe para dar-se ao mundo e levar-nos a Ele: e esta é também a missão do apóstolo e do catequista.
Jesus confiou a Sua Mãe a missão de ajudá-lo a salvar e santificar todas as almas que vem a este mundo. Desde o princípio de Sua vida pública Jesus quis servir-se dos homens para ensinar a Sua doutrina e converter o mundo. Todo batizado deveria ser também um apóstolo, um missionário, um catequista, pois não deve guardar somente para si a alegria da salvação.
Maria é o instrumento escolhido por Deus para realizar a formação cristã total.
Nos mistérios da Anunciação, a Virgem Maria ouve o mais surpreendente anúncio que jamais se ouviu, e jamais se ouvirá, de um Mensageiro divino. O Arcanjo Gabriel:
“Eis que conceberás no teu seio e darás a luz um filho a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado o Filho do Altíssimo… o Espírito Santo descerá sobre ti, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso mesmo, o santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus.” (Lc 1,31-35)
A Virgem respondeu: “Eis a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra.” (Lc 1,38)
Maria disse sim e Deus encarnou-se no seu seio. Outrora Eva acreditando nas promessas enganosas da serpente, comeu o fruto proibido pensando poder igualar-se a Deus. Maria, diante das promessas do Anjo, proclama-se humildemente a serva do Senhor.
“Aquele que se exaltar será humilhado e aquele que se humilhar será exaltado.“ (Lc 18,14)
Maria é Modelo de Humildade.
Nós catequistas, aprendamos com Ela sua primeira e insubstituível missão, procuremos imitá-la, seguir suas pegadas que levam diretamente a Jesus.
Maria, logo após receber a graça de ser Mãe do Redentor, caminha com pressa pelas montanhas da Judéia até a casa de sua prima Isabel, grávida de João – o Batista – o precursor. Foi dado à Isabel e ao menino um conhecimento sobrenatural dos grandes hóspedes que os visitavam: Cristo e sua Mãe. Isabel cheia do Espírito Santo clama: “donde vem esta honra de vir a mim a Mãe do meu Senhor?” (Lc 1,43).
“Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto do teu ventre.” (Lc 1,42)
Do coração de Maria irrompe o belo Cântico do “Magnificat” no qual proclama as maravilhosas misericórdias divinas, canta a História de Deus no mundo e também sua história em Deus.
Sim, “todas as gerações a chamarão bem-aventurada!” (Lc 1, 48)
Maria é um verdadeiro modelo da mais perfeita caridade
Ela nos ensina, catequistas a irmos ao encontro do irmão para servi-lo, assim como ela caminhou depressa para servir sua prima Isabel. Ela nos ensina a ir ao encontro do próximo levando Jesus no coração. Aprendamos a levar Jesus pelas mãos de Maria e a cantar as maravilhas da História da salvação. Feliz o catequista que canta os louvores do Altíssimo!
Feliz o catequista que imita a oração da Virgem no seu Fiat e no seu Magnificat. Oferta generosa de todo o seu ser na Fé e na Caridade.
Nossa Senhora Modelo de Meditação e Oração
“O Filho de Deus que se tornou Filho da Virgem aprendeu a rezar segundo seu coração de homem, aprendeu de sua Mãe, que conservava todas as ‘grandes coisas’ do Todo Poderoso e as meditava em seu coração” (Catecismo da Igreja Católica 2599)
“Maria conservava todas essas coisas, meditando-as em seu coração” (Lc 2,19). Por duas vezes o evangelista fala deste hábito da Virgem Maria: Em Belém na noite de Natal, e em Nazaré quando regressava de Jerusalém depois de ter perdido e achado Jesus. Certamente Maria santíssima com suas reflexões foi à fonte de informação do evangelista Lucas sobre a infância de Jesus. Ela sabia que as palavras e as obras de Deus merecem e precisam de uma meditação assídua, se queremos perceber na sua integridade a mensagem que contém.
Deus não pede divulgadores da sua doutrina, tão somente, mas discípulos.
O sentido profundo, a compreensão do que significa catequese está justamente aí: os apóstolos não são apenas repetidores do que o Divino Mestre ensinou, mas discípulos que testemunham com a própria vida seus ensinamentos. Sim, a propaganda não fabrica um São Francisco de Assis.
O profeta Jeremias diz que “o mundo se perde porque não há quem pense no seu coração” Além de meditar Maria nos ensina a orar, com a mente, o coração e a voz.
Sem uma oração humilde, confiante e perseverante não conseguiremos a coerência entre o que aprendemos e ensinamos e o que praticamos.

Nossa Senhora, Modelo da Intercessão.
Cremos que um dos episódios mais comovedores do Evangelho é o das “Bodas de Caná.”
Jesus e Maria foram a uma festa de casamento. Nossa Senhora percebeu que o vinho ia faltar. A caridade é sempre atenta. Ficou com pena dos noivos e dirigiu-se a Jesus: “Meu Filho, eles não tem mais vinho” Jesus respondeu: “Que queres de mim, mulher? Minha hora ainda não chegou.” (Jo 2,4)
Deve ter havido alguma coisa no seu tom de voz ou no seu gesto que a Virgem interpretou como sinal de que seu pedido fora atendido. E dirigindo-se aos servidores, disse apontando para Jesus: “Fazei o que Ele vos disser” (Jo 2,5). Jesus mandou que enchessem de água as seis talhas de pedra. Jesus então realizou seu primeiro milagre transformando a água em vinho – melhor do que o anterior. Fez isso a pedido de sua Mãe. “Fazei o que Ele vos disser “é a última palavra da Virgem, das sete que o Evangelho nos conserva – a única que Maria dirigiu aos homens”“. Falou com o Anjo, com Deus ou com o Filho. Esta palavra foi dita a uns. Foi dita a não. Foi a única coisa que nos disse. É seu Testamento.
O favor que a Virgem fez aos esposos de Caná. Intercedendo junto a seu Filho para que fizesse o milagre, não fora pedido por ninguém. Foi ela que esteve vigilante e reparou na situação antes de todos.
É um consolo, queridas catequistas, saber que Ela esta a par de nossas indigências, ainda que nós, distraídos, não notemos o que nos falta. E isso em todos os aspectos. Sabemos que Cristo é o nosso único Mediador diante do Pai, mas a Virgem é nossa Medianeira ante o Mediador.
A Virgem é aquela que sempre aponta para Jesus. É a que lhe diz, referindo-se a nós: “Eles não têm vinho.” É a que nos diz: “Fazei tudo o que Ele vos disser”
SANTA Teresinha pouco antes de morrer disse que logo iria começar sua missão: ”Iria passar o céu fazendo o bem na terra.” Disse que desceria e de fato a chuva de rosas prometidas atesta como Deus foi avalista dessa promessa. Completou sua profecia dizendo que só quando o Anjo tocasse a trombeta no final dos tempos e o número dos eleitos estivesse completo, ela descansaria. Imaginemos então a Virgem Maria!
Nossa Senhora subiu ao Céu na Assunção, mas não nos deixou. Através dos séculos são numerosas as suas aparições em todos os continentes e nos mais diversos lugares. Em todas elas: Guadalupe, Salette, Lourdes, Fátima, Medjugorje, a Virgem é um Eco das verdades ensinadas por Jesus.
Como todas as mães, Nossa Senhora se queixa em várias aparições: Meus filhos, vocês não me ouvem, não querem seguir meus conselhos…
Na verdade Maria santíssima continua sempre a repetir: “Fazei o que Ele vos disser.”
Se tentássemos seguir seus conselhos, aceitar sua influência maravilhosa veríamos não apenas uma chuva de rosas sobre o mundo, mas o sorriso da Virgem, a primeira catequista!

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

PALAVRA DO BISPO

Dom Antônio Carlos Cruz Santos

Dom Antônio Carlos Cruz Santos

Bispo Diocesano de Caicó

TUTELA DE MENORES

AGENDA DIOCESANA

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹set 2020› »