Colunistas

Irmã Suzana

Maria a Primeira Catequista

Neste mês de maio, aprofundemos nossa missão nesta mensagem de Maria Helena Cavalcanti Superiora Geral Fundadora da Congregação de Nossa Senhora de Belém.

“De tal maneira Deus amou o mundo que enviou seu Filho Único, para que todo que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3-16)
Jesus veio nos salvar, veio nos dar o sentido da vida, “Ele é o caminho, a Verdade e a Vida.” (Jo 14,16). Depois D’Ele nosso riso não será vazio e nossas lágrimas não serão perdidas. Muita gente, porém, ainda anda sem rumo, sem o endereço certo da Casa do Pai Celeste, por isso é necessário anunciar a Boa Nova da salvação, por isso a catequese é tão importante.
Se não houver quem pregue, quem ensine “Como invocarão Aquele em quem não tem fé? E como crerão n’Aquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar se não houver quem pregue?” (Rm 10,14)
Catequizar é então, ensinar a por Deus no centro da vida.
“Conhecer e amar a Jesus Cristo, e viver de sua graça na observância dos mandamentos.” (Pio XII)
Ora, este título de Catequista convém a Maria, Mãe de Jesus como ninguém. Maria é o Apóstolo por excelência. A sua missão foi dar-nos Jesus Cristo e levar-nos a Ele. Nosso Senhor Jesus Cristo quis servir-se de sua Mãe para dar-se ao mundo e levar-nos a Ele: e esta é também a missão do apóstolo e do catequista.
Jesus confiou a Sua Mãe a missão de ajudá-lo a salvar e santificar todas as almas que vem a este mundo. Desde o princípio de Sua vida pública Jesus quis servir-se dos homens para ensinar a Sua doutrina e converter o mundo. Todo batizado deveria ser também um apóstolo, um missionário, um catequista, pois não deve guardar somente para si a alegria da salvação.
Maria é o instrumento escolhido por Deus para realizar a formação cristã total.
Nos mistérios da Anunciação, a Virgem Maria ouve o mais surpreendente anúncio que jamais se ouviu, e jamais se ouvirá, de um Mensageiro divino. O Arcanjo Gabriel:
“Eis que conceberás no teu seio e darás a luz um filho a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado o Filho do Altíssimo… o Espírito Santo descerá sobre ti, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso mesmo, o santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus.” (Lc 1,31-35)
A Virgem respondeu: “Eis a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra.” (Lc 1,38)
Maria disse sim e Deus encarnou-se no seu seio. Outrora Eva acreditando nas promessas enganosas da serpente, comeu o fruto proibido pensando poder igualar-se a Deus. Maria, diante das promessas do Anjo, proclama-se humildemente a serva do Senhor.
“Aquele que se exaltar será humilhado e aquele que se humilhar será exaltado.“ (Lc 18,14)
Maria é Modelo de Humildade.
Nós catequistas, aprendamos com Ela sua primeira e insubstituível missão, procuremos imitá-la, seguir suas pegadas que levam diretamente a Jesus.
Maria, logo após receber a graça de ser Mãe do Redentor, caminha com pressa pelas montanhas da Judéia até a casa de sua prima Isabel, grávida de João – o Batista – o precursor. Foi dado à Isabel e ao menino um conhecimento sobrenatural dos grandes hóspedes que os visitavam: Cristo e sua Mãe. Isabel cheia do Espírito Santo clama: “donde vem esta honra de vir a mim a Mãe do meu Senhor?” (Lc 1,43).
“Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto do teu ventre.” (Lc 1,42)
Do coração de Maria irrompe o belo Cântico do “Magnificat” no qual proclama as maravilhosas misericórdias divinas, canta a História de Deus no mundo e também sua história em Deus.
Sim, “todas as gerações a chamarão bem-aventurada!” (Lc 1, 48)
Maria é um verdadeiro modelo da mais perfeita caridade
Ela nos ensina, catequistas a irmos ao encontro do irmão para servi-lo, assim como ela caminhou depressa para servir sua prima Isabel. Ela nos ensina a ir ao encontro do próximo levando Jesus no coração. Aprendamos a levar Jesus pelas mãos de Maria e a cantar as maravilhas da História da salvação. Feliz o catequista que canta os louvores do Altíssimo!
Feliz o catequista que imita a oração da Virgem no seu Fiat e no seu Magnificat. Oferta generosa de todo o seu ser na Fé e na Caridade.
Nossa Senhora Modelo de Meditação e Oração
“O Filho de Deus que se tornou Filho da Virgem aprendeu a rezar segundo seu coração de homem, aprendeu de sua Mãe, que conservava todas as ‘grandes coisas’ do Todo Poderoso e as meditava em seu coração” (Catecismo da Igreja Católica 2599)
“Maria conservava todas essas coisas, meditando-as em seu coração” (Lc 2,19). Por duas vezes o evangelista fala deste hábito da Virgem Maria: Em Belém na noite de Natal, e em Nazaré quando regressava de Jerusalém depois de ter perdido e achado Jesus. Certamente Maria santíssima com suas reflexões foi à fonte de informação do evangelista Lucas sobre a infância de Jesus. Ela sabia que as palavras e as obras de Deus merecem e precisam de uma meditação assídua, se queremos perceber na sua integridade a mensagem que contém.
Deus não pede divulgadores da sua doutrina, tão somente, mas discípulos.
O sentido profundo, a compreensão do que significa catequese está justamente aí: os apóstolos não são apenas repetidores do que o Divino Mestre ensinou, mas discípulos que testemunham com a própria vida seus ensinamentos. Sim, a propaganda não fabrica um São Francisco de Assis.
O profeta Jeremias diz que “o mundo se perde porque não há quem pense no seu coração” Além de meditar Maria nos ensina a orar, com a mente, o coração e a voz.
Sem uma oração humilde, confiante e perseverante não conseguiremos a coerência entre o que aprendemos e ensinamos e o que praticamos.

Nossa Senhora, Modelo da Intercessão.
Cremos que um dos episódios mais comovedores do Evangelho é o das “Bodas de Caná.”
Jesus e Maria foram a uma festa de casamento. Nossa Senhora percebeu que o vinho ia faltar. A caridade é sempre atenta. Ficou com pena dos noivos e dirigiu-se a Jesus: “Meu Filho, eles não tem mais vinho” Jesus respondeu: “Que queres de mim, mulher? Minha hora ainda não chegou.” (Jo 2,4)
Deve ter havido alguma coisa no seu tom de voz ou no seu gesto que a Virgem interpretou como sinal de que seu pedido fora atendido. E dirigindo-se aos servidores, disse apontando para Jesus: “Fazei o que Ele vos disser” (Jo 2,5). Jesus mandou que enchessem de água as seis talhas de pedra. Jesus então realizou seu primeiro milagre transformando a água em vinho – melhor do que o anterior. Fez isso a pedido de sua Mãe. “Fazei o que Ele vos disser “é a última palavra da Virgem, das sete que o Evangelho nos conserva – a única que Maria dirigiu aos homens”“. Falou com o Anjo, com Deus ou com o Filho. Esta palavra foi dita a uns. Foi dita a não. Foi a única coisa que nos disse. É seu Testamento.
O favor que a Virgem fez aos esposos de Caná. Intercedendo junto a seu Filho para que fizesse o milagre, não fora pedido por ninguém. Foi ela que esteve vigilante e reparou na situação antes de todos.
É um consolo, queridas catequistas, saber que Ela esta a par de nossas indigências, ainda que nós, distraídos, não notemos o que nos falta. E isso em todos os aspectos. Sabemos que Cristo é o nosso único Mediador diante do Pai, mas a Virgem é nossa Medianeira ante o Mediador.
A Virgem é aquela que sempre aponta para Jesus. É a que lhe diz, referindo-se a nós: “Eles não têm vinho.” É a que nos diz: “Fazei tudo o que Ele vos disser”
SANTA Teresinha pouco antes de morrer disse que logo iria começar sua missão: ”Iria passar o céu fazendo o bem na terra.” Disse que desceria e de fato a chuva de rosas prometidas atesta como Deus foi avalista dessa promessa. Completou sua profecia dizendo que só quando o Anjo tocasse a trombeta no final dos tempos e o número dos eleitos estivesse completo, ela descansaria. Imaginemos então a Virgem Maria!
Nossa Senhora subiu ao Céu na Assunção, mas não nos deixou. Através dos séculos são numerosas as suas aparições em todos os continentes e nos mais diversos lugares. Em todas elas: Guadalupe, Salette, Lourdes, Fátima, Medjugorje, a Virgem é um Eco das verdades ensinadas por Jesus.
Como todas as mães, Nossa Senhora se queixa em várias aparições: Meus filhos, vocês não me ouvem, não querem seguir meus conselhos…
Na verdade Maria santíssima continua sempre a repetir: “Fazei o que Ele vos disser.”
Se tentássemos seguir seus conselhos, aceitar sua influência maravilhosa veríamos não apenas uma chuva de rosas sobre o mundo, mas o sorriso da Virgem, a primeira catequista!

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

PALAVRA DO BISPO

Dom Antônio Carlos Cruz Santos

AGENDA DIOCESANA

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹jul 2019› »