Notícias da Igreja

CNBB Social: ação social da Igreja é uma exigência da fé

 

Em entrevista para a primeira edição da revista CNBB Social, o bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Ulrich Steiner, afirmou que a ação social é parte integrante da ação evangelizadora da Igreja e decorre de seu compromisso com o Evangelho.

O secretário-geral afirma que a Igreja, no correr de sua história, buscou não apenas acolher e cuidar dos pobres e marginalizados, mas também consolidou um discurso sobre a ação social movida pela fé, tradição que recebeu o nome de Doutrina Social da Igreja. Dom Leonardo recorda ainda a opção preferencial pelos pobres da Igreja na América Latina, as contribuições das escolas católicas, das obras e das pastorais sociais no campo da ação social da Igreja, o engajamento na luta pelos direitos dos povos originários (indígenas e quilombolas), além das iniciativas de transformação que acontecem nos secretariados da CNBB em Brasília e nos 18 regionais espalhados pelo Brasil.

Confira a entrevista na íntegra.

Qual o lugar da ação social dentro da missão evangelizadora da Igreja animada pela CNBB, na Igreja no Brasil?

Foto: CNBB/Daniel Flores

Creio que seja oportuno lançarmos algumas luzes sobre essas duas expressões mencionadas na pergunta. Ação evangelizadora é tudo que a Igreja faz porque é unicamente para isso que ela existe. A missão da Igreja é evangelizar, anunciar! Evangelizar não é apenas repassar um discurso sobre a vida, mas apresentar uma pessoa, Jesus Cristo, que é o Filho Deus, vivo e ressuscitado, vivo no meio de nós. Ele nos trouxe a Boa Notícia do Reino. Uma mensagem de conversão e transformação de vida para toda a pessoa, mas também transformação do universo alcançado pela sua morte e ressurreição. O Evangelho que a Igreja anuncia tem força do fermento na massa: transformação total. O que    denominamos de ação social é parte integrante da ação evangelizadora. É anúncio, visibiliza a vida do Evangelho.

A Igreja, no correr de sua história, buscou acolher e cuidar dos pobres e marginalizados. Também consolidou um discurso sobre a ação social movida pela fé e essa tradição recebeu o nome de Doutrina Social da Igreja. Os ensinamentos dos papas e dos concílios trazem uma enorme riqueza de reflexões sobre como a Igreja é chamada a ser e atuar no mundo das relações sociais. Essa doutrina, como nos lembrava São João Paulo II, se encontra naquele espaço onde cruzam a vida e a consciência do cristão e as situações do mundo em que vivemos. Essa orientação da Igreja é elaborada para iluminar o esforço dos indivíduos, das famílias, dos chamados agentes culturais e sociais, dos políticos e dos homens de Estado para assumirem as exigências da fé na realidade concreta da história das sociedades.

O discurso social da Igreja está sempre acompanhado do compromisso concreto na ação transformadora da sociedade. Basta olhar, com boa vontade, para o enorme trabalho da Igreja no Brasil no campo da educação, da saúde e da assistência aos pobres. Além disso, a Igreja sempre chamou ao efetivo compromisso com a ação política consciente, buscando compreender e combater as causas da injustiça social por meio de ações de natureza política e de projetos concretos de participação das pessoas e das comunidades na vida pública de nossas cidades, estados e país.

Fonte: www.cnbb.org.br

PALAVRA DO BISPO

Dom Antônio Carlos Cruz Santos

AGENDA DIOCESANA

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹jul 2019› »